Independência Brasileira: Um ato, várias faces.

5 set

Pra muita gente, é apenas mais um feriado. Pra outros, um dia de sair cedinho de casa com a família pra acompanhar o desfile cívico e, como em poucas ocasiões, sentir orgulho da pátria.

Seja como for, o dia do tão famoso grito de “Independência ou Morte” dado por Dom Pedro marca a ruptura de uma aliança até então predatória vivida entre Brasil e seu colonizador, Portugal. Como se não bastasse, o 7 de setembro sinaliza também o marco do início da temida Dívida Externa.

O vídeo abaixo conta de forma interativa e bem-humorada como foi essa transição de Brasil-Colônia para Império Independente (tudo através de mensagens de MSN trocadas entre Dom Pedro e o rei de Portugal, D. João VI)


 
O 7 de setembro é visto também por muita gente como um ato heróico e belo, bem representado pelo famoso quadro de Pedro Américo, “Independência ou Morte”.

D. Pedro montado num cavalo branco, às margens do rio Ipiranga, armado e demonstrando total engajamento em favor da pátria realmente são gestos bonitos, que simbolizam heroísmo. Porém, será que foi realmente assim?

quadro da Independência

Pra começar, o pintor do quadro, Pedro Américo, não estava presente no “evento”. Ele só entregou a encomenda à Família Real em 1888, 66 anos depois do ato da Independência.

Além disso, o artista foi acusado de plagiar uma outra pintura chamada “1807, Friedland” de Ernest Messonier, que representa uma batalha vencida por Napoleão Bonaparte:

Friedland

A semelhança entre as obras é bastante explícita.

Como se não bastasse, o livro “1822 – Como um homem sábio, uma princesaCapa do livro 1822 triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil – um país que tinha tudo para dar errado”, conta de forma curiosa e bem-humorada como realmente aconteceu a Independência. O escritor Laurentino Gomes apresenta um Dom Pedro mais humano, nem como um herói patriota e nem como o jovem de 23 anos, mulherengo e irresponsável; mostra também a importância de outros personagens “secundários”, como José Bonifácio e a princesa Leopoldina, ambos intelectuais da época com larga experiência e conhecimentos sobre política, que muito ajudaram Dom Pedro. O jornalista usa ainda algumas curiosidades bastante engraçadas sobre o ato às margens do rio Ipiranga, como a mulinha na qual o futuro imperador estava montado e a dor de barriga que o assolava.

Clique aqui para ler um trecho da obra de Laurentino Gomes.

Independente do enredo, um bom 7 de Setembro a todos e Até a Próxima.

FONTES: http://www.cartacapital.com.br/carta-na-escola/um-barril-de-polvora-chamado-brasil

http://pessoas.hsw.uol.com.br/ipiranga.htm

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/800336-confira-trecho-do-novo-livro-de-laurentino-gomes-1822.shtml

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: